29.6.11

A onda


Este mundo é impermanente. É como e reflexo da lua na água. Todas as nossas realizações serão devastadas pelos ventos da mudança. (Buda)
Bem-aventurados os misericordiosos. Porque eles alcançarão misericórdia. (Jesus Cristo)

Tristes tempos os nossos, em que o individualismo exacerbado impera como regra amplamente difundida e aceita.
Vidas reduzidas a minúsculas caixas, – pequeninas zonas de conforto.
Projetos existenciais reduzidos aos interesses próprios e aos da família imediata.
A superficialidade das conversas que ocupam as relações sociais e o nosso dia-a-dia comprova a miopia existencial que impera.
“O meu carro ‘zero’!
O plano de saúde ‘top’ da minha família”.
“O meu salário e a minha renda.
O apartamento maior para onde em breve pretendo me mudar.”
“O roteiro de férias da minha família!
Quer ver as fotos dos meus filhos, em Orlando, com Mickey e Pateta?”
“O meu iPad 2, de última geração! Não que o outro, que havia comprado há pouco, fosse ruim, mas lançaram este e tenho que ostentar.”
“O meu tempo livre:
Big Brother, Faustão, passeio no shopping, futebol e novela...”
A Onda
E vem a onda gigantesca sacudir as nossas rasas convicções e remeter os olhos dos que queiram enxergar para as coisas que realmente importam.
Diante das forças imponderáveis da existência, até mesmo o monte Fuji vê sua opulência perdida.
Era para ser mais um dia de rotina e afazeres, como outro qualquer, não fosse a grande onda. Um breve instante, e tantos planos, projetos e existências arrasados.
Viver é dançar na corda oscilante do inesperado.
Não convém depositar a nossa confiança nos bens materiais, nos dias e nas horas.
Os bens materiais não resistem às tempestades e intempéries da vida. Não convém depositar neles a nossa confiança.
Impermanência, – outro nome para a vida terrena.
Bairros inteiros varridos num piscar de olhos.
Lista contendo os nomes dos milhares de vítimas.
Para os que partiram não haverá mais outonos ou primaveras, feriados ou provas na escola, manhãs de domingo ou noites estreladas.
A vida é como uma rosa que nos inebria com o seu perfume e nos dilacera com os seus espinhos.
Sabedoria é empreender a travessia pelo árido deserto da existência, rumo ao oásis verdejante da essência...
E de frente para o mar, absorta em pensamentos, ela pondera:... “A vida é breve demais para que a façamos pequena.”
Ao afirmar: “ Eu estou desperto”, Cristo e Buda nos estenderam o convite para sair do sono, da letargia e despertar.
Ver, ouvir, sentir, amar, servir, despertar.

Texto de : um_peregrino@hotmail.com

Um comentário:

nelcos disse...

São palavras que nos emocionam tocando com força o espírito.