22.6.12

Um homem bastante respeitável

Saiu logo cedo. Desceu a escada de três em três degraus. Cumprimentou o porteiro do prédio e o vizinho aposentado que lia o jornal, ao sol. Colocou os óculos escuros, tomou um táxi e foi trabalhar.
    Cumpriu todas as obrigações do dia— com certo brilho— é importante que se diga e voltou para casa. Tomou banho, jantou com a família, viu tv e dormiu e saiu logo cedo e desceu as escadas e cumprimentou quem viu os óculos o táxi o trabalho a casa o banho o jantar a tv o sono e
    Há quantos anos? Calcular pra quê? Não muda nada mesmo. É assim que tem que ser. É preciso. É conveniente e convencional. Além do mais, há os fins de semana. Sempre se quebra a rotina.
    Acordou mais tarde. Tomou o café e leu o jornal. Almoçou. Viu tv. Às vezes um cinema, às vezes uma dormida depois do almoço, às vezes uma visita à sogra, às vezes o aniversário do filhinho de alguém, às vezes,
    Também, inventar o quê? É sempre o mesmo. É assim com todo mundo. É normal. É calmo e natural. Além do mais há os encontros eventuais...
    Sempre se varia um pouco.
    Foi ao bar, depois do expediente, com os colegas. Bebeu uns chopes. E alguns outros a mais. Foi ao motel. Transou. Viu no relógio que era tarde e saiu apressado. Chegou com as desculpas que sempre se dão, sempre iguais, sempre aceitas. Deitou no escuro, tentando lembrar o nome da outra, era
    Também lembrar pra quê? Que importância isso tem? É carne. É momento. Todo mundo faz o mesmo. Ninguém se machuca. É usual, tão excitante e normal. Além do mais há a paz familiar a manter.
    Sempre se realiza um pouco.
    Poupança para as necessidades inesperadas.
    Casa própria para uma velhice segura.
    Trabalho estável para comida e conforto.
    Plano de saúde para as despesas desagradáveis.
    Seguro de vida para a garantia da família.
    Um ideal para dar sentido à existência.
    O que mais pode querer da vida um ser humano normal?
    De que mais se precisa para ser feliz?
Um dia houve sonhos e anseios. Medos e angústias. Desejos e utopias. Paixões e delírios. Dor e desconforto. Luta e crença. Riscos a correr.Tolices de juventude inexperiente.
    Fundamental é saber que
    a sociedade o tempo a idade se encarregam de conduzir o homem de volta ao rumo certo à vida regrada ao bom senso à lei e à ordem e, já que combina bem, ao progresso.
    Ó Pátria amada idolatrada salve salve.
    Harmonia. Tons e sons suaves. Não ao vermelho e ao negro ao grave e ao agudo. Equilíbrio. Razão emoções moderadas passageiras sob controle. Estabilidade. Sentimentos atitudes na dose certa na medida exata no momento adequado de modo conveniente são
    Vantagens de um homem maduro e consciente
    É imprescindível não gerar sofrimento. Principalmente a si mesmo e... aos outros? se possível...—às vezes os interesses são incompatíveis, o que se pode fazer? Viva tranquilo e em segurança a consciência em paz e sobretudo aprenda a dar o nome a isso tudo de felicidade, dessa forma,
    Se o vento soprar forte demais, ameaçando envolvê-lo, tranque portas e janelas.
    Proteja-se.
    Se o sol aquecer demais sua pele, provocando a sensualidade, ligue o ar refrigerado.
    Acalme-se.
    Se a chuva ameaçar inundar seu corpo, retirando os pés do solo firme, não saia de casa.
    Salve-se.
    Se uma súbita paixão tentar invadir todo o seu ser pacificado, fuja para o Alasca fique frio mantenha distância prudente respire fundo deixe a febre passar isole-se esconda-se contenha-se
    Livre-se.
    Ter controle total sobre si mesmo é importante para manter-se intacto intocado íntegro decente. Fantástico sujeito respeitável.
    Além disso,
é preciso ter consciência do próprio valor, agir racionalmente, não perder tempo com tolices.
É preciso ser um homem sério.
    Saiu logo cedo desceu a escada de três em três atravessou a rua correndo na pressa de perder o táxi o horário de trabalho pontualidade é fundamental e foi assim que
    morreu atropelado
    morreu atropelado por uma mulher inconveniente morreu instantaneamente e talvez
    talvez não fosse o momento adequado nem o modo certo talvez chegar atrasado não fosse correto talvez atravessar a rua sem olhar para os lados não fosse uma atitude convencional
     é bem possível!  Apesar disso
    a bem da verdade parecia orgulhoso de si mesmo. Trazia estampada no rosto uma expressão  compenetrada, séria. Um morto íntegro e respeitável, então
    Do outro lado da rua um mendigo sujo e completamente embriagado retirou, de um trabalho de macumba, uma rosa vermelha que colocou entre os dentes imaculados do cadáver.
    Mas, não...Não, ninguém riu.
 A morte também é bastante respeitável.

3 comentários:

Romão Araújo disse...

Desde já, quero afiançar que não conhecia este blog. Todavia, uma coisa é certa. Gostei da escrita. Identifiquei-me. Se calhar nem importa. Mas gostei.

Anônimo disse...

Excelente texto. Vale uma boa reflexão.

Sting RMF disse...

Romão Araujo é claro que importa e muito vc ter gostado. Quem escreve, espera ser lido e, se gostam, é tudo de bom! Obrigada.