9.12.11

Nem tudo o que brilha é joia



Rosa Maria Ferrão
Já reparou como a grande maioria de nós se deixa ofuscar pelo brilho das joias?
Pois é, entretanto o seu valor não é agregado ao objeto, isto é, uma joia, ou melhor, os materiais de que é feita não têm valor por si sós. Tanto é assim, que, quando o homem europeu pisou o rico solo do Brasil encontrou a melhor disposição dos nativos para entregar-lhes ouro e pedrarias, sem que soubessem bem o porquê do interesse, pois aquilo nada lhes dizia.
Também assim é com nossas vidas: atribuímos determinado valor a dezenas de coisas e depois passamos a agir como se elas tivessem intrinsecamente esse valor.
A importância dada ao poder, por exemplo. Cometem-se os maiores desatinos para alcançar uma posição de destaque social. Trapacear, mentir, roubar, trair, tudo é válido para se alcançar essa jóia do orgulho e da presunção.
Alcançado o objetivo, o indivíduo se sente um verdadeiro sol. Os outros passam a ser vistos como simples planetas que orbitam ao seu redor, dependentes de sua luz e calor, para sobreviverem. E esta situação os satisfaz, durante algum tempo.
Ocorre, porém, que os outros também anseiam por seu próprio brilho e, assim, esse astro-rei vive sob constante ameaça. Lutando, dia após dia, para manter o que conseguiu, esgota-se, física, psicológica e moralmente.
Cada um é visto como um usurpador em potencial de sua posição, dessa forma, desconfiança e falsidade instalam-se em suas relações, isolando-o do afeto verdadeiro.
Há os que valorizam soberanamente o dinheiro, móvel único de suas vidas, cujo objetivo é a riqueza. Para tanto, corrompem-se, prostituem-se, atropelam a lei e a ética e, mesmo quando isso não ocorre, destroem a saúde em detrimento da própria harmonia.
Para o usurário, no entanto, esse objetivo nunca é alcançado. Quanto mais dinheiro consegue, mais precisa ter. Qualquer prejuízo, por pequeno que seja, é um duro golpe a provocar desequilíbrio e ansiedade crescentes. Um círculo vicioso se instala e o indivíduo fica preso em sua própria armadilha.
Fortuna atrai parasitas como o mel às moscas, conforme é de conhecimento geral. Os poucos amigos sinceros, tendo que conviver com esse tipo de gente, acabam por afastar-se.
Assim, cercado por bajuladores interesseiros, caçadoras de dinheiro e escroques de todo tipo, o milionário padece, mesmo sem se dar conta, de profunda solidão.
Outra porta muito atraente é a que oferece glória, destaque. O sucesso brilha em letreiros de néon, as revistas estampam, nas manchetes, nomes em letras garrafais.
Embriagado, o idólatra da fama sente-se poderoso, invencível, quase um deus. No entanto, como em essência não passa de uma criatura humana, tem parco domínio sobre os caminhos que é levado a percorrer.
Glória e sucesso, embora retumbantes, são, cada vez mais, passageiros. Os nomes de hoje são rapidamente substituídos, em prol da novidade. E o que parecia eterno mostra-se mutável como a visão da lua em noite chuvosa.
Assim, esquecido, o indivíduo entrega-se, muitas vezes, ao desânimo, à apatia, aos diferentes desequilíbrios de ordem psicológica.
Nem tudo o que brilha é joia!
Poder, dinheiro e fama são estradas de brilho intenso, atrativas, envolventes. É preciso cuidado e muitíssimo equilíbrio ao percorrê-las, sem tolas ilusões e com a convicção de que, acima de todas elas, paira eternamente o ser imortal que reside em nós.

2 comentários:

Celia disse...

Amiga Rosa Maria, grande professora, pessoa sensata, equilibrada, investigativa... espírito sempre em busca da luz, do crescimento, do comprometimento com Deus... Sempre fascinante ler seus textos! Sempre inesgotável sua capacidade de nos surpreender e nos fazer refletir! Mesmo correndo o risco de ser repetitiva, seu texto é excelente e você, uma escritora brilhante!!! Parabéns!

Luci Martins disse...

Rosa, creio que é a primeira vez que leio um texto seu. Constatei agora que devo ter perdido o contato com ideias pertinentes e que, na maioria das vezes, extrapolam lucidez.
Desta vez o título, juntamente com a figura, chamou minha atenção. Excelente texto, porque mostra valores tão nocivos e inúteis sendo
valorizados. Mostre mais, adorei.